Solos da Pandemia

Projeto de Solos, com curadoria de Cristiane Zonzini, que traz, para a programação do Festival, o solo da atriz Claudia Missura, o solo da atriz Helena Cerello e o projeto de 12 solos dirigidos por Nelson Baskerville.



(DAS)TRIPAS(CORAÇÃO)

por Nelson Baskerville

(das)tripas(coração) começou como uma apresentação de solos de final de oficina, mas foi muito além. A entrega e alquimia dessas atrizes extrapolou os limites de qualquer segurança, trazendo à cena escavações por dentro de suas casas e corpos sem poupar nada nem ninguém. É uma crônica desse ano 2020 interminável com tudo que mais grita dentro de cada uma delas. Nessas Satyrianas, trazemos onze dessas criações: tripas e corações emaranhados como raízes, trazendo à tona a crueldade humana, a falta de comunicação, a necessidade de enfrentamento desse mundo onde não cabem mais machismos, racismos, misoginias e tantas outras hipocrisias. Ao mesmo tempo, busca-se o luto e as relações atávicas para entender e, por que não, mudar esse mundo (ou pelo menos esse Brasil). 

Ficha técnica:

classificação: 18 anos

direção: Nelson Baskerville

operação: Pandêmica Coletivo


Quando: Sex, 4/12, das 17h às 20h

Onde: Zoom/Sympla

Link: https://www.sympla.com.br/solos-da-pandemia—dastripascoracao__1068116

tripa 1: nomes sobre mim

Barba Azul

atuação e dramaturgia: Ligia Fonseca

Maria Velata

atuação e dramaturgia: Maria Eduarda Pêcego

iluminação e câmera: Ohana Ribeiro

Verme 

atuação e dramaturgia: Luiz Campos

Nomes sobre mim

atuação e dramaturgia: Ricardo Nash

tripa 2: remother

Mãe, eu sobrevivi!!!

atuação e dramaturgia: Estrela Straus

câmera: Conrado Vidal

Romã

atuação e dramaturgia: Carolina Borelli

A vida é sonho ou o contrário?

atuação e dramaturgia: Julia Ianina

participação + trilha: Arthur Decloedt

tripa 3: cuidado, buracos

A Boneca sem buceta

atuação e dramaturgia: Paula Possani

tripa 4: coração

Baby, te amo, nem sei se te amo

atuação e dramaturgia: Erika Puga

Eu sou negra?

atuação e dramaturgia: Pri Calazans


Quando: Sáb, 5/12, das 17h às 20h

Onde: Zoom/Sympla

Link: https://www.sympla.com.br/solos-da-pandemia—dastripascoracao__1068117

tripa 1: nomes sobre mim

Barba Azul

atuação e dramaturgia: Ligia Fonseca

Maria Velata

atuação e dramaturgia: Maria Eduarda Pêcego

iluminação e câmera: Ohana Ribeiro

Verme 

atuação e dramaturgia: Luiz Campos

Nomes sobre mim

atuação e dramaturgia: Ricardo Nash

tripa 2: coração

Baby, te amo, nem sei se te amo

atuação e dramaturgia: Erika Puga

Eu sou negra?

atuação e dramaturgia: Pri Calazans

tripa 3: cuidado, buracos

A Boneca sem buceta

atuação e dramaturgia: Paula Possani

tripa 4: remother

Mãe, eu sobrevivi!!!

atuação e dramaturgia: Estrela Straus

câmera: Conrado Vidal

Romã

atuação e dramaturgia: Carolina Borelli

A vida é sonho ou o contrário?

atuação e dramaturgia: Julia Ianina

participação + trilha: Arthur Decloedt



P A I X Õ E S D A A L M A

baseado na filosofia de René Descartes

Cláudia Missura prepara um ensopado e dá a receita de como se proteger das paixões que atacam nossa alma. Inspirado na obra do filósofo francês René Descartes e dirigida por Marcelo Romagnoli.

René Descartes foi filósofo, fisiologista e matemático francês. Nasceu em 1596 e morreu em 1650. Sua vida foi um intenso e contínuo estudo em busca da verdade. Foi um dos maiores filósofos e cientistas de todos os tempos e principal responsável pela inauguração da filosofia moderna.

O espetáculo se passa numa cozinha, durante a preparação de um ensopado. A adaptação procura ser fiel ao texto de René Descartes, concentrando-se entretanto na expressividade poética de suas ideias. A descoberta dos mecanismos do corpo, a dissecação dos sentimentos, a análise das emoções e dos sentidos são tratadas de forma clara e precisa.

O espetáculo é baseado em três livros do filósofo francês:

Discurso sobre o Método, um sumário que tenta ensinar a arte de conduzir a vida e procurar a verdade;

Meditações, uma tentativa de estabelecer o que podemos conhecer com segurança e os motivos para não duvidar das sensações . Aqui é provada a existência dos corpos .

As Paixões da Alma, sua última obra, publicada em 1649, onde ele descreve o corpo humano e explica diversas alterações emocionais.

Ficha técnica:

Com Cláudia Missura

Direção e Adaptação Marcelo Romagnoli

Operação de som…….. Joana Bergman

Criação musical…………Natália Mallo

Objetos cenográficos e luz… Marisa Bentivegna

Release

Duração 35 minutos

Idade recomendada 16 anos

Quando: Sex, 4/12, às 19h

Onde: Instagram/Sympla

Link: https://www.instagram.com/claudiamissura/ @claudiamissura



O PESO DO PÁSSARO MORTO
de Aline Bei

É um experimento teatral virtual criado a partir do livro homônimo de Aline Bei, vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, e um dos 20 livros de ficção mais vendidos do Brasil, segundo a Publish News.

Híbrido entre teatro e experimento visual, a adaptação teatral teve sessões online durante a pandemia entre agosto e novembro de 2020,
com idealização e atuação de Helena Cerello, direção de Nelson Baskerville e música original de Daniel Maia.

E faz parte do repertório da cia. vadabordo.

O romance de estreia da autora trata da vida de uma mulher dos 8 aos 52, desde as singelezas cotidianas até as tragédias que persistem, uma geração após a outra. Um texto denso e leve, violento e poético, onde acompanhamos uma mulher que, com todas as forças, tenta não coincidir apenas com a dor de que é feita. A história leva o leitor a acompanhar como a criança lida com a morte, uma adolescente com a violência sexual e a maternidade solo, e como uma adulta encara as perdas e a solidão.

Ficha técnica:

Idealização e Atuação Helena Cerello
Direção Nelson Baskerville
Adaptação Dramatúrgica Cristiana Britto, Helena Cerello e Nelson Baskerville
Música Original e Edição de Cenas Daniel Maia
Assessoria de imprensa Fernanda Teixeira Arteplural
Figurino Claudia Schapira
Assessoria de ilusionismo Henry Vargas e Klauss Durães
Participação especial Aline Bei e Aurora Cerello
Captação de Imagens Helena Cerello
Fotos Aurora Cerello
Participação especial canina Caramelo e Borges
Arte do flyer Victor Grizzo
Redes sociais Jessica Rodrigues
Coordenação de Produção Raul Barretto e Helena Cerello
Realização Cia. VADABORDO
Classificação: 16 anos
Duração: 75min.

Quando: Sáb, 5/12, às 17h
Onde: Zoom/Sympla
Link: https://www.sympla.com.br/solos-da-pandemia—o-peso-do-passaro-morto__1068119


Comments are closed.

Back to Top ↑
  • Twitter


  • Facebook