SatyriCine

Cinema Digital

292.752 – (3 min – SP). Março de 2021 um ano de pandemia do novo corona vírus, o Brasil é epicentro do covid-19, imagens se repetem, sons, ruídos, isolamento, tristeza, exaustão, silêncio e luto se tornam parte do cotidiano. O número é 292.752. Drama. Livre. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

A Humanidade Nasce pra Recomeçar – (5 min – SP). Dançamos nossa existência no momento da criação. Cada ser humano tem seu ritmo, tempo, observação e apreciação. Drama. Livre. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

Ajudo em Algo Mais?  – (7 min – DF). O que fazer quando o sinal de sua internet cai? Esse filme fala justamente sobre a dependência que temos sobre as empresas de Callcenter. Será se a atendente do outro lado da linha está realmente disposta a ajudar? Comédia. 12 anos. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

Apenas Relatos – (22 min – SP). Existem muitas formas de se identificar o tempo. Por meio de sonoridades como um sino, um bip, um cuco e muitos outros sons. Apesar de reconhecermos que o tempo é ilusório, temos a impressão de que ele é real. Pois somos seres com sensibilidade e percepção intuitiva e sentimos tudo ao nosso redor. Os ventos acariciando os cabelos, o sol aquecendo a nossa pele, a água refrescando nossas mãos e a terra sentida com os pés descalços. Temos uma mente capaz de assimilar os elementos com os cinco sentidos, feito uma música, sem letra, mas partiturada com todo nosso espírito, criando a história de nossas vidas. Apenas relatos, são histórias de vidas, imperfeitas, intensas, complexas e conflitantes, porém reais, que almejam apenas seguir. Drama. 12 anos. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

Liberdade, uma religião – (6 min – SP). Liberdade é poder de escolha, isso nos é negligenciado, uma voz que ecoa, um caminhar com suas dores e um mundo corrido, onde está sua fé? Drama. Livre. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

Meu corpo é uma parte de Itinga – (20 min – BA). Criado pelos jovens e adolescentes do bairro de Itinga, periferia de Lauro de Freitas, Ba.fala da dificuldade de se fazer teatro e convencer a sociedade de sua importância para criar novas formas de existência. Fala também da violência policial contra jovens negros. Drama épico. 10 anos. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

PARALISIA – (10 min – SP). Juliana tenta manter a rotina de quarentena, quando uma noite tem o pesadelo de estar sendo sufocada. Agora a sensação de estar sendo observada a persegue.Terror. Livre. Onde: Youtube.

Link: https://www.youtube.com/OsSatyrosCiadeTeatro

QUINTA-FEIRA, DIA 2 DE DEZEMBRO

20h – Selfie Clássicos Segunda Temporada (60 min – SP). Depois do sucesso da primeira temporada de Selfie Clássicos na primeira temporada com atrizes, a segunda temporada volta com atores. São monólogos adaptados de clássicos da literatura, teatro e cinema para atores serem dirigidos a distância. Drama e Comédia. 14 anos. Onde: Satyros Bijou.

SEXTA-FEIRA, DIA 3 DE DEZEMBRO

01h – Filosofia da Alcova (76 min – SP)Baseado na obra homônima de autoria do Marquês de Sade, obra publicada clandestinamente no final do século dezoito, traz uma narrativa que trata sobre a educação sexual de uma jovem virgem, Eugénie, que aprende as artes da libertinagem através dos ensinamentos e experiências de Dolmancé e da senhora de Saint-Ange. Ficção. 18 anos. Onde: Satyros Bijou.

20h – Blocos Contexto e Urbanidades. Onde: Satyros Bijou.

O QUE VEM DEPOIS DO ABISMO (24 min – SP) – Lucca desconfia que o namorado está mentindo sobre sua identidade e vai em busca de respostas. Drama. 12 anos. 

Armário de Vidro (15 min – SP) – Amanda é uma jovem que decidiu sair de casa e viver sua vida por completo – tinha um bom emprego, bons amigos ao seu lado, mas uma relação amorosa extremamente tóxica e violenta. Um dia, após uma festa com amigos, Amanda é brutalmente agredida dentro de casa. Com a auto estima abalada, a sensação de abandono e o medo de um sistema que a condena a sofrer calada, Amanda se fecha dentro de seu próprio trauma. Quantas marcas a violência doméstica é capaz de deixar em uma mulher? Drama. 12 anos.

Preso no Curta (5 min – SP) – Lucas acorda um dia e sente que suas ações diárias mais comuns, como escovar os dentes, estão muito mais rápidas do que o normal. Ele decide ligar para seu amigo nerd que lhe revela uma maldição que está acontecendo. Ou será uma benção? Comédia. Livre.

O Homem do Último Testamento (7 min – SP) – Após o fim da terceira guerra mundial, um homem cansado de sobreviver decide registrar através das lentes de um celular seus últimos dias de vida, com esperança de quem um dia alguém possa conhecer sua história. Drama. 14 anos.

SEED (02 – SP) – O tempo é um requisito fundamental para toda a existência. Nesta história encontramos um personagem que se descobre capaz de manipular o tempo, em busca de realizar o seu objetivo e aceitar as possíveis consequências. Experimental, Drama, Fantasia. Livre.

Sobrefogo (8 min – SP) – Um curta experimental/arte colagem que através da semiótica fala sobre retrocessos, tanto na sociedade quanto na cultura. Experimental . Livre.

Dois quilos de carne de segunda (8 min – SP) – Depois do fim de tudo, uma pessoa de nome humanidade diz algumas palavras que poderiam fazer sentido se tudo não tivesse acabado.  Experimental. 16 anos.

Modus Operandi (3 min – SP) – Modus Operandi é um curta-metragem produzido durante o período de quarentena da pandemia da Covid-19. Trata-se de um filme sobre a impossibilidade de mantermo-nos fora de uma estrutura de produção escravista mesmo diante da possibilidade da morte. Experimental. 16 anos.

EU, DAQUI (4 min – SP) – EU, DAQUI é um curta-metragem experimental realizado durante o isolamento causado pela pandemia da Covid-19. O filme trata da condição humana diante de uma política de morte. Experimental. 16 anos.

QUE_EU_QUE_QUANDO (2 min – SP) – QUE_EU_QUE_QUANDO é um curta-metragem experimental que aborda a fragmentação do eu na pós-modernidade. Trata-se de uma experiência guiada pela hibridez entre os gêneros épico, lírico e performativo. Performativo, experimental. 16 anos.

Blues (4 min – SP) – A solidão de uma criatura da noite. Afinal de contas, uma “garota” deve saber como se virar na vida. Drama, Ficção. 18 anos.

Demissão – Curta-metragem (6 min – RJ) – Um chefe e uma funcionária se comunicam através de um jogo de poder. O final revela surpreendentemente o vencedor! Comédia. Livre.

Perda Total (8 min – DF) – Seu Cocó acorda depois de uma noite agitada regada a muita bebida, dança e outras coisas que ele vai lembrando aos poucos à medida em que pistas vão aparecendo no sofá. O que mais parece um pesadelo, é uma divertida situação que muitos adultos já viveram. Comédia. 14 anos.

AS MULHERES PODEM, OS MACHOS SOMEM (30 min – SP) – Na megalópole, o inusitado inexplicavelmente aconteceu, os homens sumiram da terra. Feminazis querem acabar com o patriarcado, inanimadas senhoras lamentam suas perdas, uma grávida recolhe do chão, a placa da Praça da Matriarca. Melodrama. 16 anos.

22h30 – Uma Mulher Chamada Esperança (1h48min – São Paulo) – Livremente inspirado na carta escrita por Esperança Garcia, o filme conta sua vida desde a infância, quando aprendera a ler e escrever com padres Jesuítas, acompanhando-a pelas fazendas Algodões e Poções, até a escrita da carta e os possíveis desdobramentos dela, que levaram Esperança a ser titulada a primeira advogada do Brasil. Drama Histórico. 14 anos. Onde: Satyros Bijou.

SÁBADO, DIA 4 DE DEZEMBRO

00h30 – Bloco Persona / Olhar.  Onde: Satyros Bijou.

ATO.SER (3 min – SP) – Um olhar sobre a existência, a arte, os meios de produção de massa e o lugar do ser humano em seu trânsito pela vida. Experimental. 16 anos.

Me Chama Pelo Meu Nome (14 min – SP) – Dois irmãos tentando conviver com seus silêncios e segredos após a morte de sua mãe, são surpreendidos por revelações que mudarão para sempre os rumos de suas vidas. Drama. 16 anos.

DESTA (8 min – SP) – DESTA é um filme-performance que trata das relações de poder que podem se estabelecer entre mestres e aprendizes, ofuscando a identidade destes em função dos desejos daqueles. Performance, experimental. 16 anos.

O amor romântico foi destilado em algoritmos (6 min – SP) – Moça vive uma vida de desejos insanos. Um dia ela marca um encontro com quatro pessoas diferentes no mesmo dia e no mesmo lugar. Experimental. 16 anos.

Saudade (3 min – SP) – A vida durante a o período de quarentena, crise existencial, medo de morrer e incertezas norteiam a mente humana. Mas o sentimento que domina nossos corações é a saudade de tudo que um dia tivemos. Drama /vídeo arte. 12 anos.

Telefone (10 min – SP) – O filme retrata a vida de um homem de meia idade envolvido em esquemas políticos, em uma relação de monotonia e paranóia. Drama. 10 anos.

A Última Valsa (22 min – SP) – Elias e seus filhos retornam pra casa depois de um dia extenuante, que irá mudar suas vidas. Em meio a palavras não ditas, à conflitos escondidos, eles tentam apenas chegar ao fim deste dia. Drama, ficção. Livre.

Dimenticare (3 min – SP) – DIMENTICARE é um curta-metragem dividido em três atos em diálogo com o teatro, a literatura, o cinema e o tempo. Experimental. 16 anos.

Alquimia Transmidiática (44 min- SP) – A remixagem de três filmes surrealistas do cinema mudo com músicas brasileiras de vanguarda da década de 1970. A cineasta Maya Deren e seu “Tramas do Entardecer” encontra um Tom Zé em sua fase mais tropicalista, “Um Cão Andaluz” de Luis Buñuel sorri os dentes afiados para Arthur Verocai, e Sergio Sampaio encara o “Ritual no Tempo Transfigurado”. Surrealismo, Experimental, Musical. 16 anos.

O Voo sobre a Antropofagia (6 min – ES) – O Voo sobre a Antropofagia trata-se de um curta experimental, de criação coletiva, onde foi realizado um entrecruzamento com os conceitos da antropofagia e as obras que resultam dos desdobramentos deste manifesto. A base é o texto de Bertolt Brecht, O Voo sobre o Oceano, uma peça radiofônica que mostra que o homem pode atingir alturas e construir uma série de máquinas e, ainda assim, ser incapaz de olhar para quem rasteja ao seu lado. Cinema experimental. 12 anos.

Profano Feminino (9 min – SP) – “Profano Feminino” é uma invocação para todos os espíritos subjugados de bruxas, feiticeiras e mulheres demoníacas. A chama mais rebelde e subversiva da natureza feminina foi acesa por Lilith e segue queimando para anunciar o apocalipse mais tentador de todos os tempos. Curta-metragem produzido de forma independente pelo projeto artístico Contos de Pandora. Horror / Experimental. 12 anos.

Ofélia na Praia (2 min – RJ) – Atendendo a pedidos, a Violino Filmes manda para o Satyrianas 2014, a primeira versão do curta Ofélia na Praia. Depois do sucesso da segunda versão exibido em 2017, Ofélia na Praia traz os atores Hissa de Urkiola e Rodrigo Gallo neste encontro com Ofélia de Hamlet com o pai da psicanálise Sigmund Freud.  Drama. Livre.

3h15 – Bloco Dramático. Onde: Satyros Bijou.

Espelho (14 min – SP) – Raquel se vê sem chão após o fim de seu relacionamento com Júlia, que terminou o namoro após encontrá-la na cama com um cara. Só após esse triste episódio Raquel se dá conta do quanto amava Júlia. Agora, diante do espelho ela já não se reconhece mais, e decide dar um fim a seu sofrimento. Drama. 18 anos.

SÓS / NÓS (3 min – SP) – Dentro de um mesmo lar, encontros e partidas reverberam por diferentes cômodos, alterando o fluxo das atitudes cotidianas. Estar em casa é estar em nós. Experimental. Livre.

Saudade & Solidão (6 min – RS) – Sara mora sozinha em um apartamento JK, tem saudades de sua antiga vida agitada. Com a pandemia, se isolou das pessoas que ama. Ela vai mostrar a profundidade do sentimento de saudade, solidão e que no fim temos que ter esperança. Drama. Livre.

Amigo Virtual (3 min – RS) – Retrata o novo normal e as relações virtuais de hoje em dia, a nova modernidade. Amizades e relacionamentos que estão cada vez mais líquidos, e no final de tudo… O que é real, sonho ou alucinação? Cabe a você decidir… Drama/ Fantasia. Livre.

Apreensiva (17 min – RS) – Retrata a apreensão, agonia e preocupação de Luana, mãe moderna e independente, que está preocupada com a sua  filha única Luna, que foi para os EUA fazer um intercâmbio e não consegue voltar para casa. Drama. 14 anos.

19h – Hipóteses para o Amor e a Verdade (85 min – SP) –  A história ambientada em São Paulo, se passa numa única noite e entrecruza o destino de diversos personagens urbanos, entre eles um nerd, uma prostituta, uma velha catatônica e uma travesti guia de turismo. Drama. 16 anos.  Onde: Satyros Bijou.

21h – Bloco Intolerância. Onde: Satyros Bijou.

CRUCIFICAÇÃO  (25 min – RJ) – Em uma nova era não muito distante, políticos conservadores e religiosos fundamentalistas tomam o poder. Núbia, ainda mentalmente perturbada pela voz de seu ex, retorna a sua terra natal e encontra um país de fanáticos, com novas leis que oprimem negros, gays e principalmente as mulheres. Um filme ensaio sobre uma sociedade distópica pontuado com notícias reais.  Drama. 16 anos.

SHARON VON CARTER (33 min – SP) – Criado em uma família conservadora, Gabriel sonha em ser uma cantora Drag Queen. Sem o apoio da família a vida do jovem começa a ser uma jornada de luta em busca do sucesso. O filme conta de forma íntima a transformação de Gabriel em Sharon Von Carter, mostrando que com tantas dificuldades na vida, quando se sonha um sonho, vale a pena enfrentar o pior de todos os pesadelos. Drama. 14 anos.

COMO RECUPERAR O FÔLEGO GRITANDO (30 min – SP) – COMO RECUPERAR O FÔLEGO GRITANDO é um curta-metragem documental que conta a história de Aline, travesti sobrevivente do sistema prisional que movimenta-se para garantir sua autonomia e conquistar sua dignidade. A história de Aline reverbera a trajetória de muitas mulheres trans e travestis que, engolidas por uma sociedade estruturalmente transfóbica, são empurradas para a prostituição e para o crime como única alternativa de sobrevivência. Para além das denúncias contra o CIStema prisional, que nada mais é do que um território de tortura constitucionalmente legitimado para corpas dissidentes, a película busca mostrar as potências produzidas pela protagonista, para não diminuir sua força, nem importância apesar das violências todas que a acometem. Documentário. 16 anos.

23h – Marsha: Em sua aventura fantabulosa (89 min – SP) – Em 2122 no dia do orgulho LGBTQIA+ seres do multiverso residentes no planeta PurpurinaMundi decidem fazer a maior celebração e para comemorar, um casal de cientistas voltam no tempo para levar a ativista Marsha P. Johnson em uma odisseia futurista sobre os feitos conquistados na revolta de Stonewall. Comédia dramática. 14 anos. Onde: Satyros Bijou.

DOMINGO, DIA 5 DE DEZEMBRO

00h45 – Bloco Psique. Onde: Satyros Bijou.

O inferno são os outros (26 min – SP) – Um jovem com bloqueio psicológico começa a entrar em devaneios ao se deparar com um espelho. O real motivo pode estar relacionado com a sua infância e em pequenos fragmentos o público é levado a conhecer essa história do passado que mostra as questões presentes em sua vida. Drama. 16 anos.

Ìyámàpó – Amapoa (10 min – MG) – Toda Amapoa carrega em si a sua Ìyá (matripotência- representação de humanidade em Iorubá). E externamente trazemos os mais variados itens de defesa pessoal, contra um velho conhecido: o ataque do macho escroto.

Ei você! Sintoniza a sua mulheridade na nossa estação: REVIDE! Ficção Especulativa. 16 anos.

MEDEIA na visão de Jonatan Cabret (40 min – SP) – Após assassinar seu pai e irmão, Medeia se torna esposa do herói grego Jasão e ambos vivem de favor nas terras de Corinto sobre o domínio do Rei Creonte. Temendo levar o mesmo destino que outros reis tiveram ao enfrentar a ira de Medeia, o rei Creonte oferece a mão de sua filha Creusa ao herói grego, mas essa atitude desperta a ira mortal de Medeia, que jura vingança a todos que causaram sofrimento em sua vida. Drama. 16 anos.

2h30 – SOBREVIVER é a salvação pois parece que viver não existe (SOLOS) (70 min – SP) – Nesta série de solos (em episódios), vemos a exposição de experiência de personagens solitários, em seus lares, que a princípio se mostra em uma rotina simples mas que acaba mostrando toda a força de uma solitude importante para continuar sobrevivendo. O projeto da websérie, neste momento de isolamento social, valoriza em sua narrativa estética e áudio sensorial  a importância de buscar força na própria solidão (estado de quem se acha ou se sente desacompanhado ou só; isolamento)  transformando-a em solitude (querer estar só, e/ou aproveitar esses momentos consigo mesmo),  com personagens que agem com mecanismos de defesas para sobreviver com um autoconhecimento. Drama. Livre.

16h – Blocos DOC 1 e DOC 2. Onde: Satyros Bijou.

Zé onça, relatos de uma memória  (17 min  – TO ) – Zé onça, relatos de uma memória é um documentário de curta-metragem de caráter biográfico. É um filme que conta a história de um personagem chamado Zé onça, um pescador. O doc-biográfico reconstrói a vida real do personagem a partir dos relatos e memórias de suas lembranças do passado em seus momentos de pescarias. Além do nome intrigante, de Zé onça, o documentário busca reconstruir as memórias e as lembranças do personagem a partir de seus contos e, de animações em 3D de fotografias de arquivo pessoal do personagem. A história de Zé onça representa uma das características culturais e populares das pessoas do antigo Norte goiano, hoje, atual Estado do Tocantins. O documentário traça um perfil particular do seu povo através da simplicidade, da dificuldade do passado e o modo de vida de seus populares.  Filme documentário curta-metragem . Livre.

O CONTADOR DE HISTÓRIAS – EP 01 – MAIS UMA FAMÍLIA SILVA (14 min – SP) – Sinopse Geral

Um ser humano contador de histórias que busca através das semelhanças e singularidades de cada um retratar um povo tão rico e miscigenado como o Brasileiro. Ouvir histórias é sua paixão e transmiti-las é sua missão. Através de cada episódio, embarque no universo particular e universal de cada entrevistado. EP – 01 – Mais uma Família Silva. Convidada: Maria Lopes da Silva. Sinopse ep 01: O Contador de histórias busca na Bahia, em sua família materna, histórias que não foram contadas, antes que o tempo apague da memória as raízes que fizeram com que um casal de Negros com raízes indigênas se encontrassem no sertão e formassem mais uma das famílias SILVA. Arte Documental. Livre.

Alternativas felizes para quando o sol não vem (6 min – SP) – Uma mulher idosa em tempos de medo sobre uma pandemia relata o que sente sobre a saudade e a dor da perda, fazendo reflexões sobre a vida e sua trajetória de luta, revendo memórias em fotografias arquivadas, fazendo tentativas de análise sobre o seu luto.O sentimento da perda relatado em imagens que remetem lembranças, solidão e cansaço, relatos de tristeza e melancolia, porém sobre a importância da vida, com muita fé. Ficção/ Drama. Livre.

(In) significados (10 min – ES) – (In) significados nasce da necessidade de falarmos sobre o quanto a língua portuguesa-brasileira ainda naturaliza violências e preconceitos em nosso vocabulário, fruto da escolha de colonizadores. Documentário autoficcional. Livre.

Téspis e as Borboletas – Parte I (6 min – MT) – O que move um artista? “Téspis e as Borboletas”, curta-metragem dividido em duas partes, é uma tentativa de resposta à essa pergunta. Tomando emprestado referências que vão do teatro grego a Manoel de Barros, de Fernanda Montenegro à Lady Gaga, o ator André Feróli fala de sobre a arte e a potência dela. Sua reflexão é bastante pessoal mas também espelha e dialoga com as motivações de outros artistas. Experimental/Documentário. Livre.

Téspis e as Borboletas – Parte II (6 min – MT) – O que move um artista? “Téspis e as Borboletas”, curta-metragem dividido em duas partes, é uma tentativa de resposta à essa pergunta. Tomando emprestado referências que vão do teatro grego a Manoel de Barros, de Fernanda Montenegro à Lady Gaga, o ator André Feróli fala sobre arte e a potência dela. Sua reflexão é bastante pessoal mas também espelha e dialoga com as motivações de outros artistas. Experimental/Documentário. Livre.

Sol na nuca (15 min – MT) – “Sol na nuca” é uma forma poética de construir caminhos, de observar potências, de buscar, de sentir e de refletir através das danças de mãe e filha em isolamento social e o encontro com suas histórias. O curta documental realizado durante o isolamento social e em ambiente doméstico surge a partir da ideia de ser acompanhada por elas – as mulheres da família – como um sol que nos aquece a nuca enquanto vamos em frente.  Documentário/escritas de si. Livre.

Iris Amor e Fé (3 min – SP) Filme curta-metragem documental que conta a história de Iris Peixoto de Paula, uma mulher que nasceu em 1929 e migrou para a Cidade de São Paulo com o sonho de trabalhar e ser feliz. Durante a sua vida enfrenta grandes desafios, e através da fé supera cada um deles. Drama – documentário / familiar. Livre.


Comments are closed.

Back to Top ↑
  • Twitter


  • Facebook