Memória das Cinzas

Memória das Cinzas

De Denio Maués

Direção: Marcos Ferraz

Elenco: Lena Roque

Dramamix, SP Escola de Teatro

E se Luzia pudesse, como ave sagrada, renascer das cinzas, o que nos diria? Se cada corpo abriga em sua pele a curiosidade dos olhos que lhe miraram, de quantos universos Luzia é feita? E de quantos desdéns? E de quantos descasos? “Memória das Cinzas” nos convida a adentrar o Museu Nacional em ruínas. Os montes de cinzas condensam o passado em pó. Quase 12 mil anos se tornam alguns gramas. Quanto pesa o passado? De que é feita a chama que transforma a história em poeira? Quem acendeu essa fogueira? O que alimentou suas labaredas? A pesquisadora dentro do Museu é um pouco de todos nós que queria mirar, ainda que o nada, uma forma, um contorno possível. Cadê Luzia nisso tudo? O grito silenciado ecoa pelas paredes sem teto, o vazio torna o museu testemunha de si, faz do museu, mausoléu. O Museu Nacional agora guarda o que restou dele mesmo, hoje ele conserva o seu fim. Lena Roque nos apresenta a dor de todos nós em perder o testemunho sobre nós mesmos. Que não sejamos o povo que perdendo o passado, guarda as cinzas do futuro numa urna funerária com a casa em chamas, onde só se salva a urna porque pode valer alguma coisa…

por Ana Carolina Marinho


Sobre o Autor



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑
  • Twitter


  • Facebook